• Manu Mayrink

Diário de viagem - 4 dias em Arraial do Cabo (RJ)


Quem me acompanha no Instagram pode ver um pouco da viagem que eu Sandro fizemos a Arraial do Cabo no último fim de semana. Esta época do ano é bem comemorativa pra gente, já que 30 de março é aniversário dele, em 2 de abril fazemos aniversário de namoro e 30 de abril é o meu aniversário (está chegando, lembrem-se disso). Decidimos fazer um passeio só nosso pra celebrar tudo isso. Como o dinheiro não é muito e ainda não podemos ir (ainda!) pra Paris ou Fernando de Noronha, fomos pro Caribe brasileiro: a MARAVILHOSA Arraial do Cabo. Quem já esteve por lá sabe que não é exagero adjetivar a cidade com palavras como "paradisíaca" ou "divina". É isso que ela realmente é, sem dever nada a outros destinos de praia super procurados ao redor do mundo.

Saímos de Niterói numa sexta-feira pela manhã, chegando em Arraial na hora do almoço. Ficamos hospedados em uma pousada bem simples, próxima à Praia Grande (Pousada Praia Grande, no caso rs), e por uns instantes pensei que isso seria um problema e que estaríamos longe dos principais pontos da cidade (já que o píer e a Praia do Forno, por exemplo, ficam do outro lado da cidade, na região da Praia dos Anjos). Ledo engano. O local teve um preço bacana (acho que foi 540 reais 3 diárias pra casal! Mas não esperem luxos, ok?) e, em Arraial, TUDO É PERTO. Em 15 minutos de caminhada tranquila estávamos do outro lado da cidade sem problemas.

No primeiro dia, decidimos ver o pôr do sol na própria Praia Grande e aproveitar um pouco do local. O Sandro, claro, já sacou a máquina e tirou fotos INCRÍVEIS! É a praia mais extensa da cidade (até porque atravessa outros municípios, chegando à minha amada Saquarema. Se não me engano, tem mais de 40 km de faixa de areia). Por lá, o mar é mais agitado, pelo que dizem, mas quando fomos estava tudo bem tranquilo e ótimo pra dar uns mergulhos. Uma nuvem escura logo se instalou em parte do céu, como vocês podem ver, mas não passou disso. Nenhum contratempo em nosso caminho!

No dia seguinte, acordamos tranquilamente e fomos conhecer a tal Praia dos Anjos. Lá é onde fica o píer e, logo ao lado, a trilha para a Praia do Forno (que deixamos para ir no dia seguinte, mas não deu certo. Conto depois). É uma praia bem tranquila, mas beeeem pequena e ocupada por muitos barcos. Fiquei meio com o pé atrás com a água exatamente por achar que as embarcações eliminavam suas coisinhas por ali, mas como vi o mar cristalino e peixinhos nadando, acabei me juntando a eles. De qualquer forma, a Clara (que esteve lá algumas semanas antes), disse que viu, em um ponto mais à frente, o esgoto da cidade sendo despejado no mar, então...

Voltamos para o hotel, demos uma descansada e decidimos subir a pé o famoso Pontal do Atalaia que, segundo dizem, tem uma das vistas mais lindas que existem (sou exagerada sim quando acho uma coisa boa!). Pensei que fosse me arrepender de não pegar um táxi para a subida, mas experiências anteriores no Pão de Açúcar (sim, Pão de Açúcar) ou no Parque da Cidade (em Niterói) me mostraram que o caminho pode ser incrível e que a gente valoriza ainda mais o que encontra no fim. E realmente nem era tãão complicado quanto eu imaginava. E olha... QUE PÔR DO SOL SENSACIONAL, MARAVILHOSO, ESTUPENDO!

No domingo, fomos fazer o famoso passeio de barco (em cada canto de Arraial terá alguém te vendendo esse passeio. As pessoas brotam do chão, é algo que a metafísica poderia explicar). Pagamos 50 reais cada em um passeio de 3/4 horas. O preço costuma ser este quando se está fora de temporada. Então se alguém te cobrar mais, vale dar uma chorada/pesquisada. Fomos com o pessoal da Discover Tur, num barco super bacana (mas sem comida ou bebida liberada, apenas água mesmo. Alguns tem frutas, por exemplo. Mas talvez sejam mais caros.) Neste dia não levamos a câmera e fotografamos apenas com o celular, então não vou subir estas imagens porque estão bem abaixo das lindezas acima hahaha Mas na internet vocês acham fotos maravilhosas pra entender como funciona. Paramos nas "Prainhas" (uma praia só que, quando a maré enche, se transforma em duas, por isso o nome), passamos em frente às lindas Gruta Azul e Fenda de Nossa Senhora e chegamos à Ilha do Farol. Este local é intensamente fiscalizado pela Marinha, então apenas um número limitado de visitantes pode ter acesso (acho que eles só recebem 200 pessoas por vez). Então, o ideal é pegar os barcos que saem bem cedo, para ter mais chance. Não fizemos isso e acabamos ficando apenas ancorados no mar, um pouco mais distantes da faixa de areia, mas podendo mergulhar por ali mesmo. Em seguida, fomos em direção à Praia do Forno, e aí sim minha surpresa: o barco também não foi até a areia, parando num cantinho próximo, como uma enseada. E que incrível: Sandro levou o snorkel (o pessoal do barco aluga pra quem não tem) e pudemos ver belíssimos corais. Como o mundo submarino é rico e enorme!!

Porém, no fim das contas, acabamos não indo à Praia do Forno em si (talvez a mais frequentada pelos visitantes de Arraial). O barco não nos levou até lá e estávamos COMPLETAMENTE exaustos quando o passeio acabou. Depois de três dias de viagem, eu estava morta (sou fraca sim)! Fizemos um almojanta e descansamos bastante pra nossa volta no dia seguinte, além de um novo passeio nos arredores do hotel.

Algo sobre o qual eu nunca falo em posts de viagem é comida, né? Isso porque eu sempre prefiro gastar dinheiro com outras coisas quando viajo (isso quando tenho dinheiro pra ser gastado, na verdade) e acabo comendo em lugares beem baratinhos mesmo, tipo self-service do povão rs Mas pudemos perceber que a região de Praia Grande tem opções para todos os gostos e bolsos (e o Sandro conseguiu matar todo o desejo de frutos do mar. Nenhum peixe ou camarão da cidade permaneceu ileso haha)

E aí? O que acharam da nossa viagem? Quem conhece Arraial do Cabo? Quais dicas vocês tem para dar? Contem pra gente!

Fotos: Sandro Mira Toledo

#lugares

0 visualização
Foto Sandro_2_edited.jpg

Manu Mayrink é fanática por livros, filmes, séries, música e lugares novos.  A internet é seu maior vício (ao lado de banana e chocolate, claro) e o "Alguém Viu Meus Óculos?" é seu xodó. Ela ama falar (muito) e contar pra todo mundo o que anda fazendo (taurina com ascendente em gêmeos, imagine a confusão!). Já morou em cidade pequena e em cidade grande, já conheceu gente muito famosa e outras não tanto assim (mas sempre com boas histórias). Já passou por alguns lugares incríveis, mas quando o dinheiro aperta ela viaja mesmo é na própria cabeça. Às vezes mais do que deveria, aliás.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram