• Clara Mayrink

Os 60 anos da bossa nova e o Urca Bossa Jazz


No mês de agosto comemora-se os 60 anos da bossa nova no Brasil. A comemoração se dá em agosto porque foi neste mês, no ano de 1958, que João Gilberto lançou a música “Chega de Saudade”.

Entendo que são legítimas as problematizações com o ritmo musical, justamente por ser uma produção elitista, mas acredito também que ele teve sim sua importância histórica, influenciou gerações, levou o nome do Brasil para o mundo e seu nascimento deve ser comemorado.

Depois de tantos anos desde a criação da primeira música do ritmo, muito foi feito neste sentido. O Rio de Janeiro tem até shopping com esse nome (o Bossa Nova Mall, no Aeroporto Santos Dumont). Entretanto, mais recentemente a bossa nova não tem visto muitas novas criações de artistas atuais.

Existem sim alguns lugares que ainda se toca bossa nova, sendo Copacabana o bairro onde mais se encontra as marcas deste estilo, com muitos restaurantes que ainda tocam as músicas típicas deste estilo ao vivo. Em Ipanema, justamente na rua Vinícius de Moraes, há a Toca do Vinícius, um espaço onde se encontra diversos discos (antigos e novos), livros e diferentes objetos relacionados ao tema. É lá também que está uma das maiores homenagens a um dos criadores da bossa: a estátua de Tom Jobim, na Praia do Arpoador.

Ainda assim, poucos novos artistas se dedicam a produzir este tipo de música. Um dos grupos que ainda toca bossa nova no Rio é o Urca Bossa Jazz, que atua desde 2003, mas só em 2013 se consolidou com esse nome.

O segundo álbum da banda, “Boulevard”, foi lançado esse ano e tem direção de Laudir de Oliveira, que morreu em setembro de 2017, pouco antes de terminarem as gravações do álbum. Por conta disso, o álbum conta com duas faixas extras em homenagem ao músico, uma delas com o nome “Mestre Laudir”, composta três dias depois de sua morte.

O álbum tem alguns clássicos como “Só danço samba” e “Estamos aí”, mas também abarca faixas novas, de autoria do grupo, instrumentais ou não. Em homenagem aos 50 anos da bossa nova, a última faixa do disco, com o mesmo nome do CD, cita vários dos artistas que foram de suma importância para o ritmo. O Urca Bossa Jazz mostra que ainda tem gente jovem interessada no ritmo e que, como diz a letra de “Estamos aí”, “só se for agora a bossa vai prosseguir”.

O próximo show da banda é no dia 21 de outubro em homenagem a Laudir de Oliveira. A apresentação vai acontecer no Reduto Pixinguinha (Praça Ramos Figueira, Ramos, Rio de Janeiro), às 14h.

#Música

70 visualizações
Foto Sandro_2_edited.jpg

Manu Mayrink é fanática por livros, filmes, séries, música e lugares novos.  A internet é seu maior vício (ao lado de banana e chocolate, claro) e o "Alguém Viu Meus Óculos?" é seu xodó. Ela ama falar (muito) e contar pra todo mundo o que anda fazendo (taurina com ascendente em gêmeos, imagine a confusão!). Já morou em cidade pequena e em cidade grande, já conheceu gente muito famosa e outras não tanto assim (mas sempre com boas histórias). Já passou por alguns lugares incríveis, mas quando o dinheiro aperta ela viaja mesmo é na própria cabeça. Às vezes mais do que deveria, aliás.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram