• Clara Mayrink

“Luna” e o cyberbullying: #eSeFosseVocê?


Em "Luna", Luana (Eduarda Fernandes) é uma adolescente pobre e livre e que na escola conhece Emilia (Ana Clara Ligeiro), superrica, com uma casa incrível e pais ausentes, de quem logo fica amiga. A relação das duas envolve várias novidades, com uma conhecendo melhor o mundo da outra, totalmente novo para ambas. Com este novo universo, Luana conhece rolés estranhos, diferentes dos que estava acostumada, mas se interessa e se envolve de verdade. Passa a se vestir e de certa forma se comportar diferente.

Emilia ensina Luana a se exibir na internet para desconhecidos. A brincadeira evolui e atinge novos níveis. Luana se torna Luna e, com o rosto escondido, dança e se exibe nua. A princípio, a brincadeira é somente entre as duas amigas, que se seduzem dançando e tirando a roupa, em um processo de descoberta de seu corpo e sua sexualidade.

Porém, um de seus vídeos viraliza entre os amigos, o que causa nela um terrível sofrimento, chegando ao ápice de uma tentativa de suicídio. Com um senso de justiça surpreendente e a indispensável ajuda de suas colegas, Luana consegue reverter o quadro de bullying que sofreu dos colegas homens da escola.

O filme todo se passa em meio a muita chuva e dias nublados, o que traz uma estética muito interessante e condizente com o enredo. Há ainda um péssimo episódio entre Luana e o pai de Emilia que não é desenvolvido, mas serve para marcar estas relações, que infelizmente são comuns. Além do sentimento de abandono paterno que ela tem. Neste sentido, a narrativa constrói uma invisibilidade da presença masculina, quando todos os personagens importantes para a construção do caráter e cidadania da menina são outras mulheres. Os homens que aqui apareceram só a fizeram mal.

“Luna” é um filme das descobertas adolescentes, que trata o tema do cyberbulling sofrido por garotas que têm seus corpos expostos na internet, uma situação infelizmente comum e que destrói a saúde mental de tantas meninas. “Em 2014 me vi chorando diante de uma matéria jornalística que narrava a morte de uma jovem brasileira de 17 anos que tirou sua própria vida após ter um vÍdeo de sexo viralizado nas redes sociais. Ainda me pergunto em qual lugar íntimo essa história me moveu a ponto de fazer um filme com essa inquietude como ponto de partida”, conta o mineiro Cris Azzi, que faz sua estreia como diretor em um filme de ficção solo.

“Luna” já foi exibido durante o Festival do Rio 2018, quando levou Menção Honrosa pela interpretação da atriz Eduarda Fernandes e estreia nesta quinta-feira (10) nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Porto Alegre e Curitiba.


#Filmeseséries

9 visualizações
Foto Sandro_2_edited.jpg

Manu Mayrink é fanática por livros, filmes, séries, música e lugares novos.  A internet é seu maior vício (ao lado de banana e chocolate, claro) e o "Alguém Viu Meus Óculos?" é seu xodó. Ela ama falar (muito) e contar pra todo mundo o que anda fazendo (taurina com ascendente em gêmeos, imagine a confusão!). Já morou em cidade pequena e em cidade grande, já conheceu gente muito famosa e outras não tanto assim (mas sempre com boas histórias). Já passou por alguns lugares incríveis, mas quando o dinheiro aperta ela viaja mesmo é na própria cabeça. Às vezes mais do que deveria, aliás.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram