A delicadeza do premiado espetáculo "Bituca - Milton Nascimento para Crianças"


Fazia tempos que não ia ao teatro assistir a um infantil. Sempre usava a desculpa de que não tinha uma criança pra ir comigo (já estava quase alugando uma) e que seria estranho chegar lá assim. Mas aí bateu a minha porta "Bituca - Milton Nascimento para Crianças", em cartaz no Teatro dos Quatro (só até dia 27!), e percebi como eu estava este tempo inteiro sendo boba. Seja para minha profissão - como jornalista ou como atriz -, seja para minha diversão, eu não podia mais perder este tempo. E um musical sobre um grande nome da MPB (de quem sou super fã) era mesmo a melhor oportunidade. Que alegria! Com um cenário lúdico, um roteiro sensível e as principais músicas de Milton, pude rir, me emocionar e aprender bastante!

O espetáculo foi indicado em 7 categorias no Prêmio CBTIJ, vencendo a de Melhor Ator para Udylê Procópio, e ganhou 4 estatuetas no Prêmio Botequim Cultural (Melhor espetáculo infanto-juvenil, Melhor Direção, Melhor Roteiro e Melhor Atriz Coadjuvante). Tanto reconhecimento não é a toa. Esta peça faz parte de um projeto maior, chamado "Grandes Músicos para Pequenos". Nele, as crianças já puderam assistir também a "Luiz e Nazinha - Luiz Gonzaga para Crianças" e " O Menino das Marchinhas - Braguinha para Crianças". E não para por aí: o idealizador e ator Pedro Henrique Lopes já anunciou, para agosto, a estreia de "Tropicalinha", com músicas de Caetano Veloso e Gilberto Gil, como vocês podem conferir na entrevista abaixo.

Conta pra gente um pouco como surgiu a ideia do projeto “Grandes Músicos para Pequenos”!

O projeto não surgiu como projeto. A gente fez o Luiz e Nazinha em 2013 (Pedro e Diego, diretor dos espetáculos) e percebeu que o público estava pedindo mais, fomos indicados a prêmios... Percebemos essa lacuna, essa carência de espetáculos de qualidade sobre a cultura brasileira feitos para crianças, principalmente. Foi a partir do musical sobre Braguinha que virou projeto. Logo depois veio este sobre o Bituca e, em agosto, estreamos “Tropicalinha”, com músicas de Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Como é trabalhar com crianças? Quais os maiores prazeres e os maiores desafios de trabalhar com este público?

O maior desafio é que a criança é sincera: se ela não gosta, fala. Por outro lado, isso é maravilhoso, pois é possível saber se o trabalho está funcionando, porque a criança não finge. E sempre é surpreendente. No Bituca, o nosso maior desafio foi tratar de racismo e adoção. A gente tinha muito medo da coisa ficar triste e as crianças se desprenderem do espetáculo. Mas não é o que acontece. [...] Os desafios vão surgindo a cada espetáculo, cada projeto é uma novidade. As crianças sempre nos surpreendem. A idade delas varia e isso já é um desafio. E acho que conseguimos nos comunicar com todas as idades, cada um apreendendo o conteúdo de forma diferente.

Em “Bituca - Milton Nascimento para Crianças” (a única que vi, infelizmente), o público pode reconhecer muitas canções em menos de uma hora. Como foi condensar uma obra tão vasta em tão pouco tempo, e de maneira tão lúdica?

No Bituca foi ainda mais fácil que no Braguinha. Ele registrou quase 400 músicas! E só sucesso!!

Meu processo de criação é: eu vou na história do compositor, vejo o que ele conta sobre a infância, pesquiso acontecimentos que permeavam aquela época... Eu parto da história macro, de qual universo eles estão, qual tema dentro da biografia a gente vai trabalhar. Aí separo as músicas todas, os grandes sucessos, as canções que precisam estar na peça, e vejo qual parte da história a letra consegue contar. Tento sempre colocar uma ou duas músicas por cena, vou encaixando no roteiro. A gente também subverte muita coisa do que a letra diz.

O espetáculo agrada não só crianças como também adultos, que muitas vezes não sabiam sobre a formação e a vida pessoal de Milton, além de cantarem todas as músicas juntos. Como é fazer um espetáculo que funciona bem para toda a família?

Um dos princípios da série é falar da cultura brasileira e aproximar gerações! É um espetáculo pra todas as idades. A gente não trata a criança de maneira infantilóide, a gente não entrega nada mastigado. Nem pra criança, nem pro adulto. Nós não colocamos de maneira didática o que está acontecendo, mas as crianças associam, elas sabem. [...] Uma coisa muito interessante que acontece é que as crianças se assustam com o fato de que os pais sabem cantar todas as músicas. E, quando os pais se emocionam, as crianças ficam chocadas! (risos) [...] A ideia é realmente aproximar gerações. A gente tem uma cara infantil, lúdica, mas como discurso, como narrativa, nossos espetáculos não são pensados só para as crianças. Em Braguinha, por exemplo, já aconteceu de chegarem grupos só de idosos!

O Milton já assistiu ao espetáculo? Como foi/é a sua relação com ele ao longo deste processo?

O espetáculo não é exatamente biográfico. No Bituca, até a parte em que ele chega na escola é tudo verdade, depois é tudo inventado. Ele ainda não assistiu, mas se tudo der certo será essa semana! De qualquer forma, ele leu o texto, já viu vídeos.

Para o próximo espetáculo (“Tropicalinha”), Caetano e Gil já tem o texto. Eles não interferem, mas se algo os incomoda, não condiz com o que eles imaginam, eles podem falar, dar opinião.

SERVIÇO

Bituca – Milton Nascimento para Crianças.

Musical Infantil. De Pedro Henrique Lopes.

Direção: Diego Morais.

Direção Musical: Guilherme Borges.

Com Udylê Procópio, Martina Blink, Aline Carrocino, Anna Paula Black, Marina Mota e Pedro Henrique Lopes.

Duração: 55 min

Teatro dos Quatro - Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea.

Telefone: (21) 2239-1095.

Sábado e domingo, às 17h (ATÉ 27 DE MAIO)

R$ 60 e R$ 30 (meia-entrada).

Livre.

Capacidade: 402 pessoas.

#teatro

Posts em breve
Fique ligado...
Foto Sandro_2_edited.jpg

Manu Mayrink é fanática por livros, filmes, séries, música e lugares novos.  A internet é seu maior vício (ao lado de banana e chocolate, claro) e o "Alguém Viu Meus Óculos?" é seu xodó. Ela ama falar (muito) e contar pra todo mundo o que anda fazendo (taurina com ascendente em gêmeos, imagine a confusão!). Já morou em cidade pequena e em cidade grande, já conheceu gente muito famosa e outras não tanto assim (mas sempre com boas histórias). Já passou por alguns lugares incríveis, mas quando o dinheiro aperta ela viaja mesmo é na própria cabeça. Às vezes mais do que deveria, aliás.

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Pinterest
  • Instagram